destaque22

#contrastes 5 fatos sobre a vida da mulher na Arábia!

Olá!

Ultimamente tenho saído pra pesquisar ainda mais sobre curiosidades para trazer pra vocês principalmente sobre o estilo de vida árabe e os vários #contrastes que encontro por aqui. Sempre foi um prazer fazer esse tipo de coisa, mas, percebendo o interesse enorme que surge com varias dúvidas enviadas pelo Instagram e Snapchat, resolvi me dedicar ainda mais a esse espaço tão especial do blog.

Durante essas pesquisas na internet e também perguntando pra algumas pessoas daqui é que reunir mais algumas características da vida da mulher no país saudita que até agora havia deixado passar em branco por aqui. Verdade que já tivemos vários posts sobre a relação do país com os direitos e deveres das mulheres, mas com uma cultura tão rica e abrangente, sempre encontramos algo para contar. Por isso, separei mais alguns fatos que mostram um pouquinho mais das restrições e orientações para  a mulher saudita. Vamos à listinha:

1 – Interagir com homens? Não mesmo!

Talvez eu já tenha falado alguma coisa relacionada no Instagram, mas por aqui a mulher muçulmana deve evitar falar com homens que não são da mesma família, aliás, um homem e mulher só podem ser vistos em público se forem casados ou parentes, caso contrário não é permitido que fiquem sozinhos num veículo muito menos irem a um restaurante. MAS, existe uma exceção: no caso de uma loja, banco ou coisa do tipo, é claro que elas podem se dirigir aos homens e isso acaba sendo aceitável em qualquer cidade da arábia. Isso também depende do grau religioso de cada um, eu por exemplo, já viajei muitas vezes a Dubai sentada ao lado de homens como em qualquer lugar do mundo. Porém, já fui testemunha de um caso em que um homem chegou e percebeu que eu estaria sentada do lado dele durante o vôo e pediu para que a comissária de bordo disponibilizasse outro lugar para que ele se sentar, por sorte, outra pessoas se ofereceu para trocar de lugar com ele e só assim ele pudesse viajar. Como disse, isso varia muito de acordo com o grau que cada um encara os ensinamentos de pureza e contato com outras mulheres.

Ah, inclusive, a maioria dos prédios tem entradas separadas para homens e mulheres. Aqui no condomínio, o hospital por exemplo tem essas áreas bem divididas, já vi muitos casos de estrangeiro desavisado entrando pela porta das mulheres e levando a maior bronca! (meu marido foi um desses, hihi)

2 – Nada de viajar sozinha

As mulheres sauditas só podem viajar com a companhia ou autorização de um guardião (chamado de mahran), que seja reconhecido como um homem da família como o pai, marido ou irmão. Já houveram sinalizações do governo para que essa medida seja suspensa e as mulheres possam viajar sem a permissão dos seus familiares mas a pressão da cúpula religiosa do país é muito grande fazendo com que a chance que isso aconteça aconteça seja mínima. Dentro do território do país, as mulheres vão trabalhar sozinhas a pé ou de van (claro que só com mulheres e um homem motorista), em cidades maiores como Riad, aplicativos como Uber (sim, temos Uber por aqui!rs) também são utilizados pra ir ao shopping ou sair com as amigas.

3 – Sem mulheres nos funerais

Claro que a mulher tem o direito de ser enterrada em cemitério, mas tem um detalhe, durante toda a vida ela não pode participar do funeral de seus parentes, pois a presença de mulheres em funerais é absolutamente proibida. Tá certo que os sauditas não dão muita atenção a esse tipo de cerimônia, mas a verdade é que as pessoas por aqui acreditam que os mortos podem sim ouvir os vivos e como as mulheres são bastante emotivos por natureza, o choro delas podem incomodar os mortos! Ah, existe um receio também de que as mulheres fariam súplicas e rezas para os mortos e isso não é aceitável dentro da cultura muçulmana.

4 – Consulta ao médico? Só com o guardião!

destaque

Já falei com vocês sobre as diferenças e a separação que são encontradas até na hora que vamos ao hospital. Mas no caso das mulheres sauditas, essas restrições são ainda mais abrangentes. Recentemente, um decreto religioso (fatwa) determinando que mulheres não sejam examinadas por médicos sem a presença de seus guardiões foi aprovada deixando bem claro que as mulheres só podem expor partes do corpo para homens em casos de emergência médica! Mas é claro no caso de médicas mulheres, isso acaba não sendo um problema né?!

5 – As mulheres e as competições esportivas

A participação de mulheres nos esportes tem grande oposição dos religiosos. Até o ensino de Educação Física é proibido nas escolas para elas. Mas, em 2012, as mulheres sauditas puderam pela primeira vez disputar uma Olimpíada –ainda que tenham sido chamadas de prostitutas pelos clérigos radicais do país! Aos 16 anos, a judoca Wodjan Ali Seraj Abdulrahim Shahrkhani foi uma das duas primeiras mulheres a disputar uma Olimpíada, em Londres. Ela usou um véu adaptado pra cobrir os cabelos dela durante o combate. Também teve o caso a Sarah Attar, que também usou véu e calças. Quer mais #contraste que isso? Acho que não dá né? rs

Fonte/Base Textual: Reuters – UOL Notícias – CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Translate »